Marcos Pereira destaca benefícios aos exportadores em decisão que flexibiliza Acordo Marítimo Brasil Chile

//Marcos Pereira destaca benefícios aos exportadores em decisão que flexibiliza Acordo Marítimo Brasil Chile

Marcos Pereira destaca benefícios aos exportadores em decisão que flexibiliza Acordo Marítimo Brasil Chile

01.12.2017 Resolucao contenersA pedido da Camex, Antaq passa a conceder autorização de um ano para que navios de qualquer bandeira operem a rota para cargas não conteinerizadas.

Brasília (1º de dezembro) – A pedido da Câmara de Comércio Exterior (Camex), a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) publicou uma Resolução com uma autorização especial (waiver), com vigência de um ano, para embarque de cargas não conteinerizadas na rota marítima Brasil-Chile, independentemente da nacionalidade do navio. Antes dessa decisão, o transporte de carga marítimo só podia ser realizado por empresas com navios de bandeiras brasileira ou chilena, a não ser que o exportador solicitasse um waiver a cada embarque, o que ocasionava aumento de custos, atrasos nas entregas das mercadorias e imprevisibilidade logística, segundo a Camex. O Chile, foi o sexto principal destino das vendas internacionais brasileiras, em 2017, de janeiro a outubro.

“Na prática, isto vai significar que quase a metade das nossas exportações ao Chile terão redução de custos e prazos no próximo ano”, explica o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Pereira. Segundo ele, a decisão irá baratear os custos do transporte marítimo Brasil-Chile em até 30%, de acordo com levantamentos feitos junto às empresas do setor, além de diminuir o tempo de trânsito para entrega de produtos brasileiros no Chile, em média de um mês para uma semana. De acordo com estimativas do MDIC, quase 50% das vendas do Brasil ao Chile, no ano passado, foram feitas fora de contêineres e serão beneficiadas pela decisão. São produtos como petróleo em bruto, veículos de carga, automóveis, chassis, tratores, máquinas para terraplanagem, açúcar em bruto e farelo de soja, vendidos por 4.533 empresas brasileiras em 2016.

Segundo estudo da FGV, sem o acordo, os fretes seriam 45% mais baixos e o Brasil aumentaria as exportações para o Chile em US$ 342 milhões por ano. Em outro estudo, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que as barreiras de entrada nessa rota comercial implicam em um preço final das mercadorias brasileiras no Chile 5% superior, em média, devido à reserva de mercado.

O transporte marítimo corresponde a 62% das exportações brasileiras ao Chile. Esse percentual está abaixo do valor médio do transporte marítimo no comércio exterior, que é de 80%. Como resultado da falta de concorrência, as empresas acabam utilizando o transporte terrestre, que é mais caro. “Como resultado desse waiver estendido para um ano, é esperada uma expansão do uso do transporte marítimo nessa rota”, afirma a secretária-executiva da Camex, Marcela Carvalho.

A limitação foi estabelecida no acordo bilateral em 1975 e só será definitivamente extinta em 2020, mas para beneficiar desde já os nossos exportadores, a Camex solicitou que a Antaq autorize o waiver para que as empresas exportadoras e/ou importadoras brasileiras utilizem empresas marítimas de qualquer país para operar a rota com navios de carga geral (break bulk) e que transportam veículos e outros equipamentos com rodas (navios roll-on roll-off), a partir de novembro de 2017, e com validade de um ano. A limitação para bandeiras do Brasil e do Chile continua valendo até 2020 apenas para transportes em contâineres. 

Foto: Arquivo Ascom/MDIC

Assessoria de Comunicação Social do MDIC 
(61) 2027-7190 e 2027-7198 
imprensa@mdic.gov.br 
  
Redes Sociais: 
www.twitter.com/mdicgov 
www.facebook.com/mdic.gov 
www.youtube.com/user/MdicGovBr 
www.flickr.com/photos/mdicimprensa 
http://pt.slideshare.net/mdicgovbr 
https://soundcloud.com/mdic

By | 1970-01-01T00:00:00+00:00 1 de janeiro de 1970|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment